Loucura em família: breve reflexões.




As temáticas “Saúde Mental e Relações Familiares” sempre tiveram destaque em minha trajetória profissional. Diante desta premissa, resolvi agregar os temas quando comecei a escrever meu trabalho de conclusão de curso em minha especialização. Assim, apresento uma pequena introdução sobre o referido trabalho. Destaco, que os interessados em obter o texto na íntegra poderão obtê-la através de email.
As seguintes reflexões têm como objetivo de analisar as demandas profissionais colocadas para os assistentes sociais pela política de saúde mental no Brasil, buscando apreender o papel desenvolvido por estes profissionais nesses serviços e identificar as dificuldades na atuação profissional e no desenvolvimento da Política de Saúde Mental. Para tanto, foram desenvolvidos a revisão da literatura relacionada à temática e aos objetivos do estudo, a realização de pesquisa documental sobre a legislação em Saúde Mental e a realização da pesquisa empírica, a partir de uma entrevista semi-estruturada realizada com os assistentes sociais que atuam nos serviços de saúde mental.
A reinserção social dos portadores de transtornos mentais têm sido uma das demandas reconhecidas pelas assistentes sociais através do trabalho junto à família, realizada através de orientações sociais, encaminhamentos, acerca do desenvolvimento do usuário no seu projeto terapêutico dentre outros. A ausência de recursos e articulação com as instituições que contribuem na ampliação das redes sociais de atendimento, e a ausência de capacitação foram reconhecidas como as principais dificuldades postas aos profissionais e ao desenvolvimento do serviço. A inserção social do portador de transtorno mental encontra-se permeada por uma série de limites, gerando necessidade de reconhecimento e desenvolvimento de ações que colaborem na articulação dos usuários junto à comunidade, no incentivo à participação social. Assim, a compreensão das demandas postas aos assistentes sociais só é possível a partir da reflexão acerca do contexto social, político, cultural e econômico em que se insere a política de saúde mental. Descrevi também o processo de desintitucionalização, o trato com a de prática de cuidado de indivíduos na comunidade, e não num ambiente institucional, com efeitos resultantes para no individuo, sua família, a comunidade e o sistema de atenção à saúde. Compreendendo o processo de profissionalização do Serviço Social, os desafios e entraves enfrentados por seus profissionais no campo em questão. A análise realizada evidencia que os profissionais consideram que o Campo da Saúde Mental lhes exige uma atitude de maior flexibilidade para com suas intervenções, o que não deixa de ter seu preço, na medida em que implica em uma indefinição quanto à posição ocupada pela profissão no referido campo.
O primeiro capitulo apresenta a construção de um caso que instigou duvidas e questionamentos sobre o comportamento familiar. Como ressalta COOPER(1997), o estudo sobre as famílias nos contextos da saúde mental não é assunto completamente novo e REIS (1991) que é um razoável consenso no meio profissional quanto ao entendimento de que o paciente não adoece sozinho.
O segundo capítulo se ocupa da descrição da Reforma da Psiquiatria Européia, bem como a psiquiatria no Brasil. Já no terceiro capítulo apontei discussões referentes às novas concepções de instituições, clinicas e, sobretudo a Ética na Reforma Psiquiátrica Brasileira, impasses e perspectivas de uma prática em construção.


8 comentários:

Maria disse...

Adorei e gostaria de receber esse texto na íntegra!!Achei o o texto super interessante. Meu e-mnail é madabarretto@yahoo.com.br. Aguardo um retorno. Parabéns pelo texto.

Anônimo disse...

Gostei muito do texto e gostaria de recebe-lo na íntegra. Na certeza de ser atendida, agradeço antecipadamente.
Meu e-mail: adairis.macedo@gmail.com

Anônimo disse...

GOSTARIA DE RECEBER O TEXTO NO MEU E-MAIL:
patricia.finoti@gmail.com

Anônimo disse...

Olá gostaria de receber teu material na integra pelo e-mail: raquelamorin@yahoo.com.br

Anônimo disse...

oi, seu trabalho é muito interessante.trabalho na área da saude mental, por isso gostaria de mandar meu email para recebimento do material: karlabalata@hotmail.com

Maria Suelene disse...

Olá Amatuze, bom dia.
Vi seu texto e gostei muito do tema abordado( saúde mental), por favor me envie na integra através do meu e-mail lemessuelene@hotmail.com. desde já agradeço. Um abraço.
Suelene

Anônimo disse...

OLÁ AMATUZE, BOM DIA. VE SEUS COMENTARIOS SOBRE PBF E GOSTEI MUITO. SÃO DICAS QUE ESTÃO ME AJUDADANO NO PBF. GOSTARIA QUE VOCÊ ME ENVIASSE ALGUMAS COISAS SOBRE O SIGPBF,PELO MEU e-mail( souzaarlison@yahoo.com.br DESDE JA MEUS SINCEROS AGRADECIMENTOS. OBRIGADO.

Anônimo disse...

encotrei no meu bairro familias quilombolas como devo dadastras elas no cadunico

Postar um comentário